[Time and Change, Serge Attukwei Clottey. Imagem © Marco Zorzanello / Cortesia da 18ª Exposição Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia, O laboratório do Futuro]

 

Por  | Traduzido por Diogo Simões

 

Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes (Título original)

18ª Exposição Internacional de Arquitetura, com curadoria da arquiteta, educadora e romancista ganensa-escocesa Lesley Lokko – que também é fundadora e diretora do African Futures Institute (AFI) em Accra, Gana – foi aberta ao público em 20 de maio e ficará em exibição até 26 de novembro. Intitulada O Laboratório do Futuro, a Bienal de Arquitetura de Veneza deste ano destaca pela primeira vez o continente africano como uma força líder na formação do mundo que está por vir, e a curadoria de Lokko leva os participantes a questionar as noções tradicionais sobre o que o futuro pode trazer e como será a arquitetura.

 

Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 2 de 15Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 3 de 15Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 4 de 15Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 5 de 15Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Mais Imagens+ 10

Com 63 pavilhões nacionais89 participantes e 9 eventos paralelos na cidade, a exposição convidou profissionais de várias disciplinas e origens para explorar essas novas possibilidades. Ao lado dos pavilhões nacionais, a história da África, seu passado e seu futuro dentro da disciplina arquitetônica são contados pelos participantes e se desdobram estrategicamente Giardini e Arsenale em Veneza.

The Laboratory of the Future begins in the Central Pavilion in the Giardini, where 16 practices who represent a distilled force majeure of African and Diasporic architectural production have been gathered. It moves to the Arsenale complex, where participants in the Dangerous Liaisons section – also represented in Forte Marghera in Mestre – rub shoulders with the Curator’s Special Projects, for the first time a category that is as large as the others. Threaded through and amongst the works in both venues are young African and Diasporan practitioners, our Guests from the Future, whose work engages directly with the twin themes of this exhibition, decolonization and decarbonization, providing a snapshot, a glimpse of future practices and ways of seeing and being in the world. – Curator Lesley Lokko

Mais da metade dos participantes da exposição deste ano são da África ou da Diáspora Africana, e metade são mulheres – pela primeira vez na história da bienal. A idade média é de 43 anos, adequado para um dos continentes que cresce mais rápido. Para Lokko, este destaque nas práticas emergentes, bem como vozes anteriormente não ouvidas, foram ferramentas para contar “não uma única história, mas múltiplas histórias que refletem o deslumbrante caleidoscópio de ideias, contextos, aspirações e significados que é toda voz que responde às questões do seu tempo.” A curadora explica em uma conversa com a ArchDaily durante a abertura da exposição que espera que “o público tire disso uma espécie de abertura no que antes era fechado, ou uma relutância em se envolver com o outro, não em nossos termos, mas nos termos deles”.

Embora esses termos sejam comunicados de forma diferente por cada participante, há alguns conceitos e temas recorrentes que abordam especificamente a questão da representação do continente africano e as questões que uma abordagem narrativa da arquitetura coloca para o futuro da disciplina. Conheça alguns desses fios comuns em diferentes instalações na Bienal de Arquitetura de Veneza de 2023.

Celebrando as comunidades locais e investigando o patrimônio

Assim como os pavilhões nacionais, os participantes da Bienal deste ano enfatizam uma celebração das narrativas, destinos e histórias locais, colocando questões importantes sobre a identidade diante do colonialismo e do deslocamento. Ao compartilhar narrativas individuais e específicas do local, várias instalações destilam a teoria arquitetônica em seus valores e reexaminam o patrimônio e o futuro da disciplina dentro de um contexto mais complexo. Ao pesquisar as comunidades em pequena escala não apenas em todo o continente africano, mas também em outros lugares do mundo, essa metodologia destaca a diáspora e se envolve com questões atuais e urgentes sobre integração e marginalização de populações sub-representadas.

Guardar no Meu ArchDaily

Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 9 de 15

Uhuru Catalogues, Thandi Loewenson. Imagem © Matteo de Mayda / Cortesia da 18ª Exposição Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia, O laboratório do Futuro
Guardar no Meu ArchDaily

Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 12 de 15

ACE/ACP, Olalekan Jeyifous. Imagem © Matteo de Mayda / Cortesia da 18ª Mostra Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia, O laboratório do Futuro

A Dra. Thandi Loewenson e seus Uhuru Catalogues receberam uma menção especial e contam a história de pontos turísticos locais emaranhados da libertação africana por meio de uma série de painéis de grafite compostos e um filme que os acompanha. A instalação usa o grafite como um canal que mobiliza a consciência nos terrenos conjugados de terra e ar, em movimentos pela justiça climática e um futuro equitativo para todos. Para sua contribuição ao Pavilhão Central de Giardini, Olalekan Jeyifous, do Brooklyn, também se concentra na intervenção local. Ao criar um quadro colorido do saguão do aeroporto como uma representação para o projeto ‘All-Africa Protoport’ – intitulado ACE/ACP e uma evolução do que é atualmente conhecido como African Conservation Effort – Jeyifous imagina um espaço central para um empreendimento que tem implicações significativas para a cooperação socioeconômica e ambiental em todo o continente, bem como para a solidariedade diaspórica, o que também lhe valeu uma menção especial do júri deste ano.

Guardar no Meu ArchDaily

Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 7 de 15

Oral Archive, Cave_bureau. Imagem © Matteo de Mayda / Cortesia da 18ª Exposição Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia, O laboratório do Futuro
Guardar no Meu ArchDaily

Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 4 de 15

Surfacing — The Civilised Agroecological Forests of Amazonia, Estudio AO. Imagem © Andrea Avezzù / Cortesia da 18ª Exposição Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia, O laboratório do Futuro

Em outra parte da seleção force majeure, o Cave_bureau de Nairóbi celebra os guardiões culturais e a história por meio de um arquivo oral ao apresentar conversas com membros de várias comunidades africanas que vivem em cavernas, como alguns Maasai que vivem no Monte Suswa, no Vale do Rift do Quênia, por meio de um filme e instalação de áudio. As histórias orais são combinadas com desenhos, mapas, fotos, digitalizações tridimensionais e sons naturais para criar uma experiência imersiva que ilumina o impacto da modernidade no delicado ecossistema local, de seres humanos e natureza. Do outro lado, no Arsenale, a contribuição do Estudio A0 para Dangerous Liaisons (Ligações Perigosas) destaca o destino de outra comunidade marginalizada com forte tradição de conhecimento transmitido por histórias orais: os povos da bacia do rio Amazonas. Ao centralizar a evidência de sua abordagem altamente sofisticada para a construção de cidades por milênios, Emergindo — As Florestas Agroecológicas Civilizadas da Amazônia reposiciona esse conhecimento tradicional não como urbanismo exótico, mas como um exemplo brilhante e prático de ecologia urbana que pode nos levar a uma reconciliação entre cidade, seus sistemas alimentares e suas áreas rurais.

Apresentando cores, tecidos e artesanato

Uma manifestação física eda África talvez seja mais perceptível no uso de cores, tecidos e artesanato em instalações internas e externas na exposição deste ano. Com referência à paleta de cores dos materiais de construção e da flora e fauna naturais do continente, muitas instalações usam tons terrosos juntamente com pops brilhantes de tecido para criar uma experiência visual imersiva, de celebração, para os visitantes. Além disso, em vez de depender de técnicas de construção automatizadas ou da assistência de ferramentas industriais, a forte presença do artesanato sublinha a importância da habilidade individual e do conhecimento vernacular transmitido.

Guardar no Meu ArchDaily

Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 5 de 15

Counteract, Kéré Architecture. Imagem © Matteo de Mayda / Cortesia da 18ª Exposição Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia, O laboratório do Futuro
Guardar no Meu ArchDaily

Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 13 de 15

Process, atelier masōmī. Imagem © Matteo de Mayda / Cortesia da 18ª Exposição Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia, O laboratório do Futuro

Um exemplo disso é a contribuição do vencedor do Prêmio Pritzker de 2022, Francis Kéré. Ao destacar a forma de construção da África Ocidental antes do status quo e convidar os visitantes a permanecer em uma estrutura colorida feita de materiais locais no Pavilhão Central de Giardini, a contribuição do estúdio Counteract cria um momento deliberado de pausa para refletir sobre a prática arquitetônica comum hoje e como ela poderia ser melhorada por meio da inclusão de conhecimento mais incorporado. Mariam Issoufou Kamara, do atelier masōmī, adota uma abordagem semelhante com o Process, trazendo narrativas locais para o primeiro plano e traduzindo identidades e história despossuídas em forma arquitetônica. Desenhos feitos à mão com giz desenhados nas paredes cor de terra da instalação representam um retorno à simplicidade, bem como um respeito pela natureza e uma visão para uma arquitetura pensada.

Guardar no Meu ArchDaily

Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 2 de 15

Ghebbi, AD-WO. Imagem © Marco Zorzanello / Cortesia da 18ª Exposição Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia, O laboratório do Futuro

Ainda mais artesanato e cores nos tecidos têm o seu efeito na instalação Ghebbi, da AD-WO. Um conjunto móvel de tapetes monumentais é pendurado no teto do Arsenale para criar um território fechado que evoca a palavra amárica ‘Ghebbi’, que significa um espaço cercado por cercas ou paredes. As peças não funcionam apenas como um lembrete fisicamente imponente da habilidade artística, mas também como uma manifestação da variabilidade inerente e necessária da arquitetura. O artista ganês Serge Attukwei Clottey faz declarações igualmente poderosas com iterações internas e externas de seu projeto ‘Afrogallonismo’ nos terrenos do Arsenale. Coletivamente intituladas Tempo e Mudança, as obras são feitas de galões plásticos amarelos e se destacam em contraste com seus fundos venezianos mais discretos, fazendo perguntas pertinentes sobre narrativas pessoais e políticas enraizadas em histórias de comércio e migração.

Envolvendo o toque, as sensações e apelando para os sentidos

Estreitamente conectada a esse apelo visual está a ênfase na interação física com instalações,  evidente nos vastos terrenos do Arsenale. Ao remover limites expositivos tradicionais e convidar os visitantes a envolver uma multiplicidade de sentidos quando são apresentados a uma obra, os praticantes ampliam ideias de apagamento de fronteiras para o momento presente – um momento único para cada indivíduo e sua justaposição nas instalações. Abordar os sentidos primários desta forma também leva a um discurso mais honesto e direto entre vozes até então não ouvidas do continente africano e o público em geral, rompendo barreiras linguísticas obstrutivas para construir um tecido conectivo entre culturas e questionar e redefinir a história da arquitetura em um contexto verdadeiramente global.

Guardar no Meu ArchDaily

Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 8 de 15

Kwaeε, Adjaye Associates. Imagem © Andrea Avezzù / Cortesia da 18ª Exposição Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia, O laboratório do Futuro
Guardar no Meu ArchDaily

Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 14 de 15

chaord, Sweet Water Foundation. Imagem © Matteo de Mayda / Cortesia da 18ª Exposição Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia, O laboratório do Futuro

Ocupando um dos espaços externos de mais destaque do Arsenale, a Adjaye Associates convida os visitantes a explorar Kwaeε, ou ‘floresta’ em Twi, uma das principais línguas de Gana. Um espaço de reflexão com programação educativa. O alto, escuro e triangular prisma é simultaneamente assustador e acolhedor, convidando a ser tocado e percorrido – e uma vez lá dentro, os blocos de madeira individuais se combinam para formar uma totalidade confortável e envolvente em contraste nítido com o exterior. A contribuição da Sweet Water Foundationchaord, abrange uma casa de reuniões ao ar livre em Forte Marghera, bem como um laboratório e uma oficina projetada como uma estrutura multiescalar dentro do Arsenale, ecoando este princípio orientador de interação e educação. Abordando mais sentidos com uma colagem multimídia e didática que exibe uma série de fotografias, materiais e diagramas, a instalação contextualiza a prática da Fundação de Desenvolvimento Regenerativo do Bairro na Commonwealth no South Side de Chicago.

Guardar no Meu ArchDaily

Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 6 de 15

The Nebelivka Hypothesis, Eyal Weizman and David Wengrow. Imagem © Marco Zorzanello / Cortesia da 18ª Exposição Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia, O laboratório do Futuro
Guardar no Meu ArchDaily

Representando a África na Bienal de Arquitetura de Veneza 2023: conceitos e abordagens recorrentes - Imagem 11 de 15

Aequare: the Future that Never Was, Twenty Nine Studio. Imagem © Andrea Avezzù / Cortesia da 18ª Exposição Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia, O laboratório do Futuro

A Hipótese Nebelivka criada por Eyal Weizman e David Wengrow usa displays terrestres a laser, vídeo e instalações de áudio para desenterrar uma pesquisa geofísica sobre povoados de 6.000 anos abaixo dos campos agrícolas na Ucrânia que existiam sem uma hierarquia ou classe dominante aparente. Estendendo essa hipótese ao urbanismo contemporâneo e alinhando-se com o objetivo geral desta Bienal de criar um tecido conectivo em grande parte da exposição, o projeto pede uma reavaliação de nosso conceito de “cidade” enraizado em uma história de extração e predação. Finalmente, Sammy Baloji, do Twenty Nine Studio, também combina uma infinidade de canais e haptics para criar uma colagem para Aequare: o futuro que nunca existiu – empregando imagens de arquivo, bem como notas de viagem, modelos e projeções de filmes para investigar o deslocamento da sociedade pré-colonial durante a posse colonial da Bélgica na República Democrática do Congo.

 

Fonte: ArchDaily. 

Banner Content
Tags: , , ,

Related Article

No Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário

MÍDIA NEGRA E FEMINISTA ANO XX – EDIÇÃO Nº230 – MAIO 2024

Siga-nos

INSTAGRAM

Arquivo