As lutas das mulheres afegãs contra o patriarcado, o imperialismo e o capitalismo

As mulheres do Afeganistão foram afetadas pelas guerras e pela ocupação de seu país por décadas. A situação das mulheres afegãs tem sido frequentemente explorada pelas forças imperialistas, especialmente os Estados Unidos, para justificar e legitimar suas políticas belicistas na região. As mulheres sempre estiveram na linha de frente da luta contra as forças imperialistas e fundamentalistas em seu país.

A seguir está uma entrevista conduzida por ativistas do Movimento de Mulheres Curdas com Samia Walid, uma ativista da RAWA (Associação Revolucionária de Mulheres do Afeganistão).

MMC: Você pode nos contar sobre a história e a missão da RAWA? Qual era a situação das mulheres afegãs quando sua organização foi criada? Qual é o seu papel na sociedade? Como eles estão organizados?

SW: A Associação Revolucionária de Mulheres do Afeganistão (RAWA) é a organização de mulheres mais antiga do país que luta pela liberdade, democracia, justiça social e secularismo. A RAWA trabalha no subsolo na maior parte do Afeganistão, enfrentando enormes dificuldades. Todos nós usamos pseudônimos para nos proteger e nunca podemos tornar nosso trabalho público.

Nossas atividades políticas incluem a publicação de revistas e artigos e a mobilização de mulheres para aumentar a conscientização e se juntar à nossa luta. Coletamos e documentamos assassinatos, estupros, saques, extorsões e outros crimes cometidos por esses senhores da guerra em áreas remotas do Afeganistão. Nossas atividades sociais consistem em proporcionar educação às mulheres, não apenas aulas de alfabetização, mas conscientização social e política sobre seus direitos e como obtê-los, socorro emergencial, criação de orfanatos e atividades relacionadas à saúde.

MMC : Qual é a sua análise do patriarcado? De que forma está vinculado ao Estado, ao imperialismo e ao capitalismo?

SW: O patriarcado é constantemente apoiado e nutrido por governos feudais, capitalistas e imperialistas reacionários em todo o mundo, principalmente para apagar o papel das mulheres na sociedade, especialmente na política. Governos de todos os tipos, especialmente governos feudais ligados a colonizadores imperialistas, como o Afeganistão, veem a força e a consciência das mulheres como uma séria ameaça à sua dominação e têm usado diferentes meios para impedir seu crescimento e consciência.

Tendo em mente que esses governos são antipopulares por natureza, e só podem perdurar oprimindo as massas e sua luta; a anulação da mulher é seu objetivo principal. Ao reforçar a misoginia e a cultura feudal, eles privam as mulheres de todos os seus direitos, paralisando metade da sociedade e garantindo que não haverá luta ou resistência contra elas. Esses governos nunca tomam medidas para a emancipação das mulheres, mas sim aperta a corrente que nos rodeia. Hoje, a situação das mulheres afegãs é mais desastrosa do que nunca.

Os Estados Unidos invadiram o Afeganistão sob o pretexto de “direitos das mulheres”, mas a única coisa que trouxeram para nossas mulheres nos últimos dezoito anos foi violência, assassinato, violência sexual, suicídios, autoimolações e outros infortúnios. Os Estados Unidos levaram ao poder os mais ferozes inimigos das mulheres afegãs, os fundamentalistas islâmicos, e cometeram uma traição imperdoável contra nossas sofredoras mulheres. Essa tem sido sua tática nas últimas quatro décadas. Alimentando os jihadistas, o Taleban e o ISIS, que são todos fundamentalistas islâmicos, criminosos assassinos e também misóginos. A América oprimiu nossas mulheres.

MMC: Como você relaciona a libertação das mulheres com a resistência contra a ocupação?

SW: Vemos a libertação das mulheres afegãs, em sua libertação do colonizador imperialista, dos fundamentalistas islâmicos e do governo fantoche. A liberdade das mulheres está diretamente ligada à resistência e à luta revolucionária contra a principal causa de seu sofrimento e infortúnio, ou seja, os ocupantes e seus lacaios internos. Acreditamos que fundamentalistas e grupos assassinos e corruptos, ligados a saques e outros crimes e traições, não têm outra fonte de apoio além de potências estrangeiras, sem as quais não sobreviveriam por um dia. Ao elevar a consciência política das mulheres e expor essas pessoas como a causa raiz de seus infortúnios, queremos organizar as mulheres em uma resistência contra elas, que serão tão facilmente aniquiladas quanto foram criadas por seus senhores estrangeiros.

MMC: Os direitos das mulheres afegãs foram explorados, especialmente pelo imperialismo dos EUA para justificar e legitimar a invasão do Afeganistão. De que forma essa narrativa prejudicou a luta das mulheres no território?

SW: Os Estados Unidos são mestres em desviar a luta revolucionária e política dos povos, especialmente das mulheres. Nos últimos dezoito anos, além de apoiar a maioria dos elementos anti-mulheres em todo o Afeganistão, os Estados Unidos introduziram um fluxo de mulheres educadas no governo e outras instituições, ONGs, organizações da sociedade civil e redes de mulheres. Isso tem um duplo propósito. Primeiro, ele usa essas mulheres para enganar o mundo sobre a situação real das mulheres afegãs e as apresenta como um triunfo de sua guerra de ocupação. Em segundo lugar, ao cooptar essas mulheres sob sua proteção, ele garante que elas não se juntem à luta revolucionária, privando assim o movimento das mulheres de pessoas valiosas.

Recentemente, um grupo de mulheres vendidas e sedentas de poder da “Rede Feminina” se reuniu com Gulbuddin Hekmatyar como “representantes” das mulheres afegãs. Gulbuddin é um dos criminosos misóginos mais sanguinários, conhecido por ter jogado ácido no rosto de mulheres em sua juventude, e essas mulheres vieram ao seu encontro para encobrir seu partido islâmico misógino, tudo por fama, poder e dinheiro. Mulheres como Fawzia Koofi, Habiba Sarabi, Sima Samar e outras sentam-se com jihadistas criminosos e talibãs em troca de dinheiro e poder, e traiçoeiramente se apresentam como representantes das mulheres oprimidas do Afeganistão. Essas mulheres minimizam o açoitamento e o apedrejamento de mulheres pelo Taleban e aprimoram seus “bons” programas para mulheres ingressando no governo. Eles estão do lado dos poderes governantes e traem nossas mulheres, e não têm laços ou empatia com as mulheres do Afeganistão.

MMC: Por que a RAWA decidiu ficar no Afeganistão ou na região, em vez de transferir suas atividades para a Europa e países ocidentais? O que você acha da crescente ONGização no Afeganistão e em outros países do Sul Global, patrocinada por instituições ocidentais?

SW: A RAWA acredita que só pode se tornar um movimento poderoso com o apoio das massas, e esse apoio vem ficando e trabalhando no território, mesmo que a situação seja infernal. As pessoas só confiam nas organizações revolucionárias que estão ao seu lado na prática e atuantes no país. Nossa experiência tem mostrado que organizações que tiraram suas raízes do Afeganistão e se mudaram para a Europa e outros países foram vergonhosamente dissolvidas. Uma das razões pelas quais a RAWA viveu tanto e continua a lutar é porque decidimos ficar no Afeganistão, apesar da situação sangrenta.

As ONGs são uma parte importante da espinha dorsal do imperialismo em nosso país. A ONGização é quase tão perigosa quanto a formação de um governo fantoche do Afeganistão. As ONGs formadas no Afeganistão existem graças ao financiamento dos Estados Unidos e de outras potências ocidentais. Eles são um terreno fértil para o recrutamento de jovens que formarão os futuros governos fantoches do Afeganistão, que terão a aparência de um governo moderno e democrático, mas cujas cabeças serão lavadas para servir como lacaios muito mais leais desses poderes. As ONGs também são usadas para espremer o nacionalismo e a luta revolucionária da cabeça de nossos jovens, dando-lhes altos salários e vidas no exterior. Sabe-se que nenhuma dessas ONGs serve ao povo e às mulheres e que se limitam a slogans de “reconstrução” e “ajudar o povo” a esconder seus verdadeiros propósitos.

MMC: O Afeganistão foi invadido, explorado, atacado e gravemente danificado pelas forças imperialistas nas últimas décadas. Isso afetou especialmente as mulheres. Embora a RAWA tenha liderado campanhas para levar a violência sexual sistemática pelo Talibã à justiça, vimos misóginos corruptos ascenderem a altos cargos políticos com o apoio dos Estados Unidos. Como você analisa a violência sexual na guerra? De que forma e com o apoio daqueles que usaram a violência sexual como ferramenta de guerra no Afeganistão? E como é a justiça para as mulheres afegãs na sua perspectiva?

SW: Como em todos os conflitos ao longo da maior parte da história, mulheres e crianças foram os principais alvos na guerra e no conflito no Afeganistão. Eles têm sido os alvos mais vulneráveis ​​dos grupos fundamentalistas que atormentam nossa nação por quase três décadas. O estupro e outras formas de violência sexual se tornaram comuns depois que jihadistas – criados, nutridos e apoiados pelos Estados Unidos, Arábia Saudita e Paquistão – chegaram ao poder em 1992, após a derrota dos soviéticos. Diferentes facções dos senhores da guerra jihadistas saquearam e estupraram o povo de Cabul, de porta em porta. As mulheres foram sequestradas e mantidas em porões e edifícios vazios, repetidamente estupradas e torturadas. A maioria acabou sendo morta e seus corpos mutilados encontrados depois que os jihadistas deixaram as áreas. As histórias dessas mulheres são histórias de horror e pesadelos.

A justiça para as mulheres só pode ser alcançada com a completa aniquilação do atual governo formado por elementos fundamentalistas islâmicos e outros vendidos pelos Estados Unidos. Os líderes dos partidos fundamentalistas islâmicos envolvidos em crimes de guerra, especialmente contra as mulheres, devem ser processados ​​e punidos. Uma vez que nossas mulheres cumpram essa tarefa, podemos dizer que a justiça foi feita.

MMC: Qual é o papel das mulheres afegãs para a paz e a justiça?

SW: Para as mulheres afegãs, a paz só pode ser alcançada por meio da justiça, e a justiça só pode ser alcançada libertando o Afeganistão da ocupação estrangeira e do fundamentalismo islâmico. A retirada do poder desses traidores e assassinos, assim como sua perseguição e punição, é a justiça que as mulheres buscam para a paz, a prosperidade e a verdadeira democracia. E isso só pode ser alcançado com uma luta organizada de mulheres conscientes.

MMC: Qual é o tipo de sociedade pela qual você está lutando? Que esforços eles estão fazendo aqui e agora para realizar suas utopias?

SW: Lutamos por uma sociedade independente, livre e democrática que se assente nos pilares da justiça social e na qual mulheres e homens sejam iguais em todos os aspectos. O caminho para isso é longo e difícil. É uma tarefa enorme mobilizar e organizar as mulheres em um grande movimento, mas acreditamos que não há outra opção para alcançar esses valores.

MMC: O que a liberdade das mulheres significa para você e seu movimento?

SW: Para nós, a liberdade das mulheres é a nossa participação em todas as esferas da sociedade, com base na independência, democracia, laicidade e justiça social. É nossa total igualdade com os homens em todos os aspectos. Essa liberdade e igualdade está diretamente ligada à política e à sociedade. Somente em uma sociedade livre de ocupação e do vírus fundamentalista misógino, em que a democracia e a justiça social são aplicadas, as cadeias de violência contra as mulheres podem ser rompidas e permitir a plena liberdade e direitos das mulheres.

MMC: Como movimento de mulheres curdas, sabemos que a RAWA valoriza o internacionalismo como um aspecto importante de resistência e libertação. As mulheres do Afeganistão saíram às ruas em apoio à revolução feminina em Rojava. O que você acha da luta das mulheres em Rojava ou no Curdistão em geral? O que podemos aprender uns com os outros?

SW: A luta e os sacrifícios das leoas do Curdistão têm sido uma inspiração e uma fonte de força para nós. Sua luta contra o ISIS e outros criminosos da Idade Média nos ensinou lições enormes. Sabemos que nenhuma força na terra, nem o ISIS, nem a superpotência que a apoia, nem outros países da região podem enfrentar a verdadeira resistência das massas. Sabemos, pela milionésima vez, que nenhuma luta pode ter sucesso sem a participação das mulheres. Compreendemos os sacrifícios que temos que fazer para alcançar a sociedade dos nossos sonhos. Quando ouvimos o nome de ISIS no Afeganistão, associamo-lo às mulheres determinadas e corajosas do Curdistão, não ao terror que está exercendo em nosso país. Acreditamos que o ISIS está derrotado e que eles não têm chance diante de um movimento movimento feminino autêntico. É evidente que acreditamos nestas coisas tendo trilhado este caminho, esta luta é uma prova luminosa das nossas crenças.

MMC: Em relação à luta global das mulheres pela liberdade, qual você acha que é o caminho a seguir para trabalharmos juntos na luta comum contra o patriarcado e outros sistemas de violência e opressão?

SW: A RAWA acredita que a solidariedade internacional com organizações e partidos que buscam independência, lutam pela liberdade e são democráticos e progressistas é uma parte vital de nossa luta interna. Nossa luta converge com a do povo curdo, pois muitos de nossos inimigos são de natureza semelhante. Estamos lutando contra o imperialismo e seus mercenários fundamentalistas. Neste ponto, precisamos compartilhar nossas experiências e lições para navegar melhor nesta árdua tarefa.

 

Entrevista publicada originalmente em inglês pela Komun-Academy, em 20 de setembro de 2019 | Traduzido para o espanhol pela Crisis Magazine em 17 de agosto de 2021.

Traduzido para o português por Andrey Santiago.

Fonte: Traduagindo.

Banner Content
Tags: , , ,

Related Article

No Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário

ANO XVII – EDIÇÃO Nº 198 – SETEMBRO 202I

Siga-nos

INSTAGRAM

Arquivo