O professor do Instituto de Bioquímica Médica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IBqM/UFRJ) Mychael Vinicius Lourenço foi listado por uma das maiores publicações científicas do mundo. Cientista negro, ele estuda área ainda desconhecida da neurociência, envolvendo a neurodegeneração. A Pesquisa considerada promissora pela revista Nature, pode impactar a saúde de milhões de pessoas que sofrem com o Mal de Alzheimer.
 
Formado pela UFRJ durante toda sua trajetória acadêmica, Mychael pesquisa as mudanças no cérebro – em nível molecular – que podem aumentar o risco de doenças neurodegenerativas.
 
“Sou fascinado pelas mudanças que ocorrem no cérebro para causar neurodegeneração e demência. A demência é um problema de saúde mundial que precisa ser investigado mais profundamente e tratado com mais eficiência”, explica à Nature.
 
Ele é um dos cientistas que nega a teoria dos agregados proteicos. Por muito tempo, cientistas acreditavam que a formação da doença estava relacionada à concentração da proteína beta-amiloide. “Embora o campo tenha defendido “agregados proteicos insolúveis atacam neurônios” como o explicação para as mudanças moleculares na demência, agora entendemos que sua natureza é muito mais complexa”, afirmou à revista.
 
Sua missão é entender os sistemas complexos ao redor de doenças degenerativas. E encontrar esses sistemas pode ser essencial para reduzir casos de demências e facilitar o tratamento precoce contra o Mal de Alzheimer.
 
“Vejo minhas pesquisas futuras contribuindo para a identificação de novos mecanismos moleculares que possam ajudar a explicar essa complexidade e propor novas e eficazes estratégias de neuroproteção. Estou particularmente entusiasmado com as perspectivas translacionais de nosso programa de pesquisa”, completa o pesquisador.
 
Fonte: Hipeness.
Banner Content
Tags: , , ,

Related Article

No Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário

ANO XIX – EDIÇÃO Nº226 – JANEIRO 2024

Siga-nos

INSTAGRAM

Arquivo