Por Jeremy Corbyn | Tradução: Sofia Schurig

Na Corte Internacional de Justiça, a África do Sul falou em nome das milhares de pessoas que se opõem ao genocídio de Israel em Gaza – e envergonham os governos ocidentais por sua deplorável cumplicidade.

Não há espaço seguro em Gaza e o mundo deveria ter vergonha.”

O discurso de encerramento de Blinne Ní Ghrálaigh no Tribunal Internacional de Justiça ficará comigo para sempre. Devastador e forense em igual medida, Ní Ghrálaigh falou por milhões de pessoas em todo o mundo que ficaram absolutamente chocadas com os horrores que se desenrolam ao vivo em nossas telas. “Este é o primeiro genocídio da história em que suas vítimas estão transmitindo sua própria destruição em tempo real”, disse ela, “na esperança desesperada e até agora vã de que o mundo possa fazer alguma coisa”.

Aqui estava um advogado irlandês – que já havia trabalhado no Inquérito do Domingo Sangrento – falando em nome da África do Sul, em apoio ao povo palestino. Para os irlandeses e os sul-africanos, a situação dos povos ocupados é demasiado familiar. Não deve surpreender, portanto, que o caso da África do Sul tenha começado colocando a última atividade de Israel “no contexto mais amplo dos 25 anos de apartheid, 56 anos de ocupação e 16 anos de cerco imposto à Faixa de Gaza”. Foi extraordinariamente refrescante ouvir a África do Sul articular algo tão óbvio, mas rotineiramente ignorado pelos políticos deste país. Expondo o estado raso de nosso próprio sistema político, a audiência entrará para a história como uma importante demonstração de solidariedade internacional de um povo que sabe o que é suportar – e desmantelar – o apartheid.

Essa solidariedade cresceu e cresceu; O caso da África do Sul acabou ganhando o apoio de muitos países, incluindo Bolívia, Brasil e Colômbia, além de atores interestaduais como a Liga Árabe. Os políticos deste país podem negar tudo o que quiserem: milhões de pessoas em todo o mundo estão desesperadas para ver o fim do massacre de seres humanos e continuarão a apoiar os esforços para construir uma paz justa e duradoura.

Fomos obrigados a estar na Corte antes das 6h para entrar, fazendo fila em clima desesperadamente frio. A Corte Internacional de Justiça (CIJ) de Haia é um belo edifício. Foi construído após a Primeira Guerra Mundial, quando havia uma esperança real de que a Liga das Nações e seu sistema judicial trariam a paz. Havia algo comovente no povo palestino que havia perdido parentes em Gaza e na Cisjordânia, que estavam fora da Corte para testemunhar em busca de justiça.

A África do Sul apresentou seu caso contra Israel sob a Convenção sobre Genocídio. A audiência foi devastadora – horror após horror, exposto à vista de todos. Os argumentos foram brilhantemente apresentados pela África do Sul, e eles devem ser elogiados por fazê-lo. É lamentável que a maioria dos nossos meios de comunicação não tenha considerado estes argumentos suficientemente importantes para serem difundidos. A BBC não forneceu uma transmissão ao vivo do caso da África do Sul, optando apenas por mostrar a resposta de Israel no dia seguinte. É mérito da Al Jazeera que eles não apenas transmitiram ao vivo a audiência, mas forneceram uma cobertura contínua e precisa do conflito, apesar de testemunharem a morte de seus colegas no processo.

A África do Sul destacou que a Convenção sobre Genocídio existia para proteger todas as pessoas e que a ação israelense atendia aos requisitos da convenção em sua destruição deliberada e sistemática da vida civil em Gaza. A África do Sul também citou várias declarações de Netanyahu e outros políticos israelenses prometendo diminuir a população de Gaza em pelo menos 90%. A África do Sul demonstrou o que os palestinianos têm tentado dizer-nos desde sempre: esta não foi uma guerra de iguais, mas o massacre sistémico do povo palestiniano.

A África do Sul está determinada não apenas a estar do lado certo da história, mas a mudar o curso dela – e se a Corte Internacional de Justiça fosse fiel ao seu nome, daria a devida consideração ao caso da África do Sul. Consideraria que o bombardeamento é errado, que o bombardeamento é ilegal e que o bombardeamento representa o castigo colectivo do povo palestiniano. E determinaria que atos de genocídio foram cometidos pelo governo israelense.

Entretanto, o caso sul-africano pediu uma medida provisória, o que exigiria um pedido rápido de cessar-fogo imediato. É um apelo que deve ser feito por qualquer representante político em qualquer lugar do mundo comprometido com a proteção da vida civil. É para grande vergonha dos sistemas políticos britânico e americano que relativamente poucos representantes eleitos em ambos os países tenham apoiado este apelo ao fim da perda de vidas humanas.

Não há outro caminho a não ser um cessar-fogo observado por todas as partes, o que representaria a oportunidade de traçar um futuro justo e pacífico. Esta é uma decisão a tomar pelo povo palestiniano, não por aqueles de nós que o apoiam. Atos de solidariedade não podem implicar dizer aos outros o que fazer.

Do lado de fora, após o término da audiência, a fantástica equipe de advogados respondeu a perguntas de um enorme grupo de jornalistas nas escadarias da CIJ, em condições absolutamente congelantes. Eu estava lá em nome da Internacional Progressista. Fizemos um evento mediático na rua à nossa frente e defendemos que a voz popular das pessoas comuns em todo o mundo é a da paz e que faríamos campanha pelo tempo que for necessário para fazer justiça para o povo palestiniano.

“Fizemos o que podíamos. Lembrem-se de nós’. Ní Ghrálaigh terminou seu discurso mostrando duas fotos de um quadro branco em um hospital em Gaza. O primeiro mostrava uma mensagem escrita à mão por um médico. A segunda foto era do mesmo quadro branco após um ataque israelense ao hospital. Mostrava a prancha completamente destruída. O autor da mensagem havia sido morto.

Milhões de pessoas estão chocadas, assistindo em tempo real à destruição da vida humana em Gaza. A história não esquecerá aqueles que se recusaram a tratar as vidas palestina e israelense com igual valor. Mas também não esquecerá aqueles que estão determinados a fazer campanha por um mundo mais pacífico.

 

Membro do parlamento do Partido Trabalhista por Islington North.

Fonte: Jacobin Brasil.

Banner Content
Tags: , , ,

Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário

ANO XIX – EDIÇÃO Nº226 – JANEIRO 2024

Siga-nos

INSTAGRAM

Arquivo