Polícia Militar do Distrito Federal durante revista a 1 homem negro em manifestação realizada na Esplanada dos Ministérios, no centro de Brasília, em maio de 2018

 

Foram 4.353 mortos no país

Nos Estados Unidos foram 259

Cor da pele triplica chances

Mercado exibe face do racismo

 

WEUDSON RIBEIRO e HAMILTON FERRARI

A polícia dos Estados Unidos matou 1.099 pessoas em 2019. Dessas, 259 eram negras (24%). No Brasil, a polícia fez quase 6 vezes mais vítimas: 5.804 até o ano passado. Do total, 75% (ou 4.533) eram negros.

  • 333,9 milhões (número de habitantes nos EUA)
  • 211 milhões de habitantes (número de habitantes no Brasil)

A Polícia Militar do Estado de São Paulo matou 218 pessoas em alegado confronto no 1º trimestre de 2020. Dessas, 63,5% eram pretas ou pardas. No mesmo período, 31 negros, 41 brancos e 13 latinos foram mortos pela polícia norte-americana. No Rio de Janeiro, 80,3% dos 885 mortos pela polícia no 1º semestre de 2019 eram negros.

Em 2018, 343 policiais brasileiros morreram em serviço. Desses, 51,7% eram negros. A maioria foi vítima de homicídio doloso (60,6%) ou latrocínio (32%). Nos EUA, 106 policiais morreram em 2018, segundo o FBI, entre negros e brancos.

Os negros também são maioria na população privada de liberdade no Brasil. De acordo com dados do 1º semestre de 2017, os negros representavam, em junho daquele ano, 61,6% do contingente de presos.

MERCADO DE TRABALHO

Negros são maioria no mercado de trabalho somente em funções de aprendizes e trainees: 57% e 58%, respectivamente, de acordo com estudo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em termos de distribuição de renda, a população negra também está aquém dos brancos: os ganhos médios dos negros foram de R$ 934 em 2018. No mesmo período, os brancos faturaram quase o dobro: R$ 1.846. As taxas de desemprego entre pretos (14%) e pardos (15,2%) são maiores do que entre brancos (9,8%).

De acordo com o Anuário Brasileiro da Educação Básica 2019, a taxa de alfabetização que mais cresceu no período de 2012 a 2018 foi a de pretos: 87,7% sabiam ler e escrever até 2017. Em 2018, o percentual de alfabetização do grupo bateu a marca de 91%. Mesmo assim, em todos os níveis de ocupação, pardos e pretos recebem, em média, 57,5% a menos pelo trabalho profissional.

MULHERES NEGRAS

As mulheres negras são as vítimas mais recorrentes de homicídios. Segundo o Atlas da Violência, a taxa de assassinatos delas cresceu 29,9% em 10 anos, até 2017. No mesmo período, o índice de homicídio de mulheres de outros grupos demográficos cresceu 4,5%. As negras também integram o grupo que mais sofre por feminicídio: os dados mais recentes disponíveis mostram que elas foram 61% das vítimas fatais, no Brasil, em 2019.

Fonte: Poder360, 04/06/2020.

 

Esta reportagem foi produzida pelo estagiário em jornalismo Weudson Ribeiro sob orientação do editor Nicolas Iory.

 

Fonte: Poder360, 04/06/2020.

 

 

Banner Content
Tags: , , , , , ,

Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário

ANO XVI – ED. 185 – AGOSTO DE 2020

Siga-nos

INSTAGRAM

Arquivo