Por Jessie Stephens | Tradução: Bruna Rangel

Segundo o jornalista do New York Times, Taylor Lorenz, a tendência de partilha de fotos a preto e branco começou de fato como parte de uma mensagem em cadeia brasileira e foi noticiada pela primeira vez a 17 de Julho. Outros estabeleceram uma ligação entre o movimento #DesafioAceito (#ChallengeAccepted) e o discurso feminista de Alexandria Ocasio-Cortez no plenário da Câmara na semana passada. Mas o que também sabemos é que há alguns dias a mesma tendência foi adotada por uma campanha turca para chamar a atenção para a epidemia de violência contra as mulheres.

“#blackandwhitechallenge ou #desafiopretoebranco foi iniciado na Turquia como uma reação aos assassinatos de mulheres e à falta de ação do governo turco. Seu significado é muito mais grave e profundo do que um desafio de empoderamento.⠀ Aqui segue a foto em preto e branco de Pınar Gültekin, de 27 anos, cujo feminicídio provocou protestos na Turquia esse mês. Pinar foi morta por seu ex-namorado, o qual, após espancá-la brutalmente, ateou fogo em seu corpo e cimentou seus restos mortais. #desafioaceito.” Erica Prado.

Em 16 de Julho, uma quinta-feira, Pinar Gültekin, de 27 anos, deixou o seu apartamento em Muğla. Estava quente, a cerca de trinta graus – o meio do Verão na Turquia.

Falando com a sua irmã Sibel por volta das três da tarde, a estudante universitária disse que planeava ir às compras.

Pouco tempo depois, Sibel tentou ligar-lhe novamente, mas o seu telefone parecia estar desligado. Pareceu-lhe fora do comum. A tarde, e depois a noite, passaram. Mesmo assim, ninguém conseguia contato com Pinar.

Juntamente com a sua mãe Şefika Gültekin, Sibel viajou para Muğla e comunicou o desaparecimento da sua irmã.

As horas se passaram, e depois dias. Ainda não havia sinais dela. A polícia decidiu procurar nas imagens de vigiância tiradas dentro do centro comercial, e rapidamente reconheceram Pinar.

Ela estava com um homem.

No início, Cemal Metin Avci negou qualquer conhecimento sobre o paradeiro da mulher. Mas quando a polícia lhe mostrou as filmagens das câmeras de vigilância, ele não só admitiu vê-la nesse dia, como confessou o seu assassinato.

Cemal direcionou a polícia para um tambor de petróleo escondido numa floresta na área Menteşe. Dentro dele, estava o corpo queimado de Pinar.

Como é frequentemente o caso, Cemal, de 32 anos, não era um estranho para Pinar. Ele era o seu ex-namorado. Agora casado e pai de família, Cemal tinha alegadamente decidido que queria retomar a sua relação com Pinar. Nesse dia, supostamente se encontraram no seu local de trabalho, e depois visitaram a sua casa de campo, mas assim que Pinar rejeitou os seus avanços, estrangulou-a até à morte. Desde então, foi preso sob a acusação de “matar com sentimento monstruoso”.

Cemal também foi capturado em câmeras de vigilância comprando latas de combustível de um posto de gasolina local. A fim de esconder o corpo de Pinar, Cemal disse à polícia que ele moveu o contentor com o corpo dela para dentro da floresta e despejou mistura de concreto sobre a parte superior.

Na terça-feira, 21 de Julho, a família de Pinar soube o que tinha acontecido com a sua filha.

Falando no seu funeral na semana passada, Sidik Gültekin, disse o pai de Pinar: “Estou chamando toda a Turquia a partir daqui: basta”.

“Devemos designar um guarda para acompanhar cada uma das meninas estudantes na Turquia?” continuou ele. “Não pode uma menina ir estudar numa província onde quer? É uma atrocidade. Estou sem palavras, estou mesmo sem palavras”.

Em 2019, 474 mulheres foram assassinadas na Turquia. A maioria dessas mulheres foram mortas pelas mãos de parceiros ou familiares. Foi o número mais elevado numa década, indicativo de um aumento do número de casps ano após ano. Espera-se que os números para 2020, com bloqueios do coronavírus e pressões sociais e financeiras adicionais, sejam ainda mais elevados.

Os protestos irromperam por todo o país. Muitos manifestam-se contra a consideração do governo turco de se retirar da Convenção de Istambul do Conselho da Europa de 2011, que se compromete a prevenir e combater a violência contra as mulheres.

Tal como está, os homens que são condenados por homicídio, e dizem ter agido por impulso, ou que são entendidos como religiosos, são muitas vezes condenados a penas reduzidas. A clemência com que os perpetradores são tolerados é uma preocupação central para grupos como We Will Stop Femicide.

Uma campanha de comunicação social começou no Twitter, com utilizadores a partilharem uma imagem de Pinar acompanhada da palavra “basta”.

E depois, algum tempo depois de 21 de Julho, vieram as fotografias a preto e branco.

Segundo o jornalista do New York Times, Taylor Lorenz, a tendência de partilha de fotos a preto e branco começou de fato como parte de uma mensagem em cadeia brasileira e foi noticiada pela primeira vez a 17 de Julho. Outros estabeleceram uma ligação entre o movimento #DesafioAceito (#ChallengeAccepted) e o discurso feminista de Alexandria Ocasio-Cortez no plenário da Câmara na semana passada. Mas o que também sabemos é que há alguns dias a mesma tendência foi adotada por uma campanha turca para chamar a atenção para a epidemia de violência contra as mulheres.

O Clube Cultural Turco da Universidade Americana partilhou uma publicação agora viral do Instagram que lê:

“Vejo muitos dos meus amigos não turcos a partilhar fotografias a preto e branco de si próprios como um ‘desafio’, mas sem saber a razão ou origem por detrás disso…”.

“O povo turco acorda todos os dias para ver uma fotografia a preto e branco de uma mulher que foi assassinada na sua alimentação Instagram, nos seus jornais, nos seus ecrãs de televisão.

O desafio da fotografia a preto e branco começou como uma forma de as mulheres levantarem a sua voz. Para sermos solidários com as mulheres que perdemos”. Para mostrar que um dia, poderia ser a sua fotografia a ser rebocada nos jornais com um filtro a preto e branco no topo”.

Como é o caso de qualquer “desafio” na Internet, é difícil identificar uma génese clara. De onde é que ela veio? E porquê? Quando se trata do movimento #DesafioAceito, é também difícil identificar um objetivo claro.

Em um feed de mulheres em preto e branco, sorrindo e partilhando e usando hashtags, talvez um link com o feminicídio e a violência doméstica seja útil.

Embora a sororidade seja encantadora e ser inspirado pelas mulheres que nos rodeiam seja um sentimento que aquece o coração, não é a batalha mais urgente que deveríamos estar travando.

Uma em cada três mulheres em todo o mundo já sofreu violência física ou sexual.

Em 2017, estima-se que 87.000 mulheres foram intencionalmente mortas a nível mundial – mais de metade das quais por um parceiro íntimo ou membro da família. Isto significa que 137 mulheres são assassinadas por um membro da sua própria família todos os dias.

Até este ano, 30 mulheres australianas foram mortas pela violência. Estatisticamente falando, podemos esperar mais 32.

Pode ser que o nome da próxima mulher que ouvirmos que foi morta por alguém que deveria amá-la, terá compartilhado uma foto a preto e branco de si própria, com algumas hashtags sobre o empoderamento.

Não há nada de errado com a irmandade.

Mas vamos usá-la para fazer algo mais significativo do que nomearmo-nos um ao outro para partilhar selfies.

 

Este texto foi originalmente publicado pelo site msn.com e escrito por Jessie Stephens. Traduzido por Bruna Rangel.

Fonte: Não Me Kahlo.

 

Banner Content
Tags: , , ,

Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário

ANO XVI – ED. 187 – OUTUBRO DE 2020

Siga-nos

INSTAGRAM

Arquivo