[Foto: Nina Simone Acervo, Philippe Gras, Le Pictorium]

Por Chardine Taylor-Stone | Tradução: Cauê Seignemartin Ameni

Nina Simone, que morreu em 21 de abril de 2003, é frequentemente lembrada pelo seu envolvimento no movimento pelos Direitos Civis – mas ela também era uma socialista que citava Lenin, Marx e via a revolução como o caminho para a verdadeira igualdade.

“Nunca conversamos sobre homens ou roupas. Sempre foi Marx, Lenin e a revolução – conversa de garotas de verdade.” Nina Simone.

observação de Nina Simone sobre não discutir moda, mas “Marx, Lenin e a revolução” oferece um vislumbre da vida política diária que Simone tinha longe de suas histórias mais conhecidas como ativista dos direitos civis e música. Essa “conversa de garotas” aconteceu com sua amiga e dramaturga Lorraine Hansberry – uma conversa entre duas mulheres negras que, como diz Simone, não era sobre homens ou roupas, mas sobre o trabalho criativo que estavam produzindo e como viam seu papel na libertação de sua comunidade.

Fazendo referência à peça autobiográfica de Hansberry Young, Gifted and Black, Simone mais tarde escreveu uma música com o mesmo título em homenagem a seu amigo e camarada depois que Hansberry morreu de câncer pancreático na trágica idade de 34 anos. Esta amizade e camaradagem demonstra como as conversas íntimas sobre política entre mulheres negras têm o poder de inspirar. Elas acontecem longe do olhar dos homens, longe dos brancos; elas podem ser lugares de trégua nos quais se pode reenergizar e reunir-se ao movimento mais amplo que muitas vezes marginaliza e apaga as percepções políticas das mulheres negras.

Dizer que Nina Simone foi “apagada” seria um absurdo. Ela é uma das artistas mais célebres do século XX. Não há necessidade de escrever outro artigo, biografia ou análise de suas canções políticas. Mas no aniversário de sua morte, podemos ver como a história da vida política de Simone é contada e quem a está contando; no que eles escolhem incluir, e o que eles fazem de fato “apagar”.

Nina Simone é frequentemente mencionada como uma ativista dos direitos civis, e ela era. Mas o movimento pelos direitos civis abrangeu muitas visões políticas diferentes sobre como seria a luta pela libertação. Alguns como a NAACP queriam reformas liberais que foram criticadas por serem benéficas apenas para a classe média afro-americana. Os nacionalistas negros buscavam a independência econômica e um novo Estado negro separado da América branca e racista, embora não estivesse claro como esse novo Estado seria além de uma versão negra do capitalismo. Como tal, nem todos os ativistas dos direitos civis estavam se referindo a Marx ou Lenin como um exemplo das conversas que tiveram com amigos.

Para uma mulher de grande inteligência, talento e brilho, que sabia exatamente como queria ser ouvida por meio de sua música e performance, podemos interpretar isso como uma declaração proposital, e não como um comentário passageiro. Nina Simone nos dizia que era comunista, camarada, revolucionária.

Às vezes, mulheres negras artistas, e especialmente músicas, que demonstram alguma forma sua preferência política pela esquerda, são desradicalizadas em versões mais pelegas para deixar os ouvintes brancos mais confortáveis, conforme o músico folk comunista branco Phil Ochs cantava humoristicamente em sua canção “Love Me I’m a Liberal“. Os brancos liberais podem ir a comícios pelos direitos civis, canta Ochs, “mas não fale sobre revolução, isso está indo longe demais”.

Simone queria ir mais longe. Escrito em resposta ao atentado à bomba na 16th Street Baptist Church em setembro de 1963 – um ataque terrorista da supremacia branca que matou 4 jovens negras com idades entre 11 e 14 – Simone canta em “Mississippi Goddamn”:

Eles tentam dizer que é uma conspiração comunista
Tudo que eu quero é igualdade
Para minha irmã, meu irmão, meu povo e eu.

Isso poderia ser lido como uma resposta ao “susto vermelho” macartista, em que qualquer conversa sobre igualdade social era confundida com comunismo e sentimento “antiamericano”. Mas quando lida à luz de sua “conversa de garotas” com Hansberry e a política de seu círculo social, incluindo James Baldwin, Stokely Carmicheal e Langston Hughes – todos ativistas que se engajaram no socialismo – essas letras são uma declaração política. Simone é esquerda porque ela o vê como o único caminho para a verdadeira igualdade; Reformas “lentas” dentro de um Estado racista não são uma opção.

Também vemos reflexos de uma política internacionalista em “Backlash Blues”, cujas letras foram retiradas de um poema escrito para Simone por Langston Hughes:

Mas o mundo é grande
Grande, brilhante e redondo
E está cheio de outras pessoas como eu
Que são pretos, amarelos, bege e marrons.

Este poema, uma das últimas coisas que Hughes escreveu, reflete sobre o Vietnã e sobre os homens afro-americanos sendo enviados para lutar uma guerra imperialista enquanto são tratados como cidadãos de segunda classe em “casa”. Simone diz que ela e outros grupos racializados que são oprimidos pelas muitas encarnações de “Mr Backlash” são, na verdade, a maioria no mundo – uma declaração que reflete um momento político em que organizações como o Partido dos Panteras Negras buscavam construir coalizões internacionais com outras pessoas ao redor do mundo que sofrem os efeitos do imperialismo norte-americano.

A história política da esquerda negra dos EUA é importante para contextualizar e compreender o trabalho de Simone, mas quero voltar à conversa das “garotas” entre Simone e Hansberry. Aos meus ouvidos, como mulher negra, socialista, feminista e musicista, a política dessas conversas privadas e íntimas entre mulheres negras radicais aparece na música de Simone. Pegue “Quatro Mulheres“. Freqüentemente chamada de hino feminista, a canção descreve uma classe que está sendo submetida a papéis e estereótipos de gênero nos quais as mulheres negras se viram presas: a “mamãe”a “trágica mulata”; a trabalhadora do sexo; a mulher negra com raiva.

Para mim, a música vai além de uma análise simplista da escravidão e do efeito de seu legado nas mulheres negras de hoje. Em vez disso, imagino Hansberry e Simone falando sobre suas próprias vidas e as vidas de outras mulheres negras usando uma análise marxista que abrange raça, gênero e classe; eles falariam sobre como o racismo e o capitalismo criaram a vida das mulheres da canção, Tia Sarah, Saffronia, Sweet Thing e Peaches – as vidas das mulheres negras que se veem constantemente tendo que lutar, sobreviver e resistir.

É difícil justiça sobre a vida política de Nina Simone em um pequeno artigo. Ela foi um furacão que trouxe a mensagem da liberdade, igualdade, justiça e libertação a todos que tiveram o prazer de ouvir sua música. Mas é importante que não a rotulemos como uma ativista dos direitos civis: ela era uma revolucionária – uma mulher que se envolveu com o trabalho de Marx e Lenin, e que trouxe essa práxis revolucionária para sua música de uma forma que continua a ressoar conosco até hoje.

 

Fonte: Jacobin Brasil.

Banner Content
Tags: , , ,

Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário

ANO XVII – EDIÇÃO Nº194 – MAIO 202I

Siga-nos

INSTAGRAM

Arquivo